Tecnologia

Apesar de proibir as criptomoedas, China investe pesado no desenvolvimento da blockchain

Postado por em 5 de setembro de 2018 , marcado como , , , , , , ,

Nas últimas duas semanas, o governo da China baniu efetivamente todas as coisas relacionadas ao comércio e investimento de criptomoedas, incluindo sites de notícias, contas de mídia social, eventos e trocas de câmbios.

Mas após por fim a praticamente todos os canais de comunicação e negócios voltados para as moedas digitais, os representantes chineses disseram que o país continuará acelerando o desenvolvimento da blockchain.

(Foto: Pixabay)

Xi Jinping, presidente da China e a CCTV, maior rede estatal de televisão do país, têm consistentemente descrito a blockchain como uma tecnologia disruptiva, reafirmando que ela permanecerá como uma das principais inovações que o governo se concentrará nos próximos anos.

E essas falas podem ser comprovadas com números: ao longo dos últimos meses, o Estado investiu mais de US$ 3 bilhões em fundos focado na tecnologia.

Redes de blockchain centralizadas

Estruturalmente, uma rede de blockchain é executara por um conjunto de nós que não são controlados por uma autoridade ou entidade central.

A função de equipar uma rede de blockchain pública com sua própria criptomoeda é incentivar os indivíduos do sistema a executarem determinadas operações, ao tempo em que desestimula qualquer pessoa a realizar uma atividade que não satisfaça os interesses financeiros de alguém.

Entretanto, ao rejeitar as criptomoedas e se concentrar apenas na tecnologia que as respalda, a China passa a liderar o desenvolvimento de blockchains centralizadas que, paradoxalmente, concedem a um certo grupo de pessoas mais autoridade sobre outras, no protocolo.

Por isso, resta saber se a tecnologia subjugada a uma autoridade central é realmente necessária para aumentar a transparência e a segurança nos sistemas utilizados por conglomerados dos setores de seguros, finanças e cadeia de suprimentos, por exemplo. Já que assinaturas digitais e carimbos criptográficos podem alcançar resultado similar, sem a implementação da blockchain.

Muitos analistas do país dizem que sim, defendendo que a tecnologia será capaz de reduzir a possibilidade de ações desonestas por parte de funcionários e maus atores no espaço.

Um fio de esperança

Nem todos os esforços de redes e projetos públicos centralizados foram bloqueados na China.

No mês passado, o governo do distrito de Xiongan, responsável pela construção da cidade dos sonhos do presidente Xi Jinping, a Xiongan New Area, solicitou ao ConsenSys, um escritório de blockchain de Nova York, que desenvolvesse dApps (aplicativos descentralizados), que pudessem ser utilizados na nova região.

Fundada pelo co-criador do Ethereum, Joseph Lubin, a ConsenSys é a maior empresa de blockchain focada em Ethereum atuando no mercado global.

A companhia conta com mais de 900 funcionários que desenvolvem aplicativos como o MetaMask, criado para melhorar a usabilidade do Ether.

A decisão do governo chinês de cooperar com os desenvolvedores do Ethereum representa um vislumbre de esperança para aqueles que defendem o desenvolvimento de uma blockchain pública no país.

Fonte: CCN