Investimentos

Venezuela: criptomoeda estatal financiará moradia para desabrigados

Postado por em 5 de julho de 2018 , marcado como , , , , , , , ,

O ministro da Habitação da Venezuela, Ildemaro Villarroel, revelou recentemente que o governo do país está planejando financiar a construção de moradias a partir da criptomoeda estatal respaldada no petróleo, o Petro.

Venezuela: criptomoeda estatal financiará moradia para desabrigados

(Foto: Pixabay)

De acordo com o canal de notícias local Telesul, as moradias serão financiadas como parte do projeto habitacional do país Grande Missão de Moradia da Venezuela, que pretende das às “famílias desabrigadas uma solução decente e acessível”.

Segundo Villarroel, 33 empresas já estão passando por processos de validação técnica, financeira e de logística para realizar o processo de construção. O ministro venezuelano foi citado, comentando que:

“Juntamente com os governadores, revisamos os planos que iniciaremos no segundo trimestre e [o projeto] Grande Missão de Moradia da Venezuela terá uma injeção de recursos financeiros, que este ano será protegida e estabelecida com o Petro”.

De acordo com a Telesur, o presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, aprovou o uso de 75bilhões de bolívares (cerca de US$ 750 mil dólares ou 909 mil Petros) para construir as novas residências.

A autoridade venezuelana acrescentou que a criptomoeda respaldada no petróleo oferece benefícios que “representam um escudo protetor para a construção das moradias”.

Petro venezuelano

Como o Portal Criptoeconomia informou, a Venezuela tem dado vários casos de uso para o Petro, em uma tentativa de estimular a demanda.

No início deste ano, a empresa revelou que “pode” bonificar pelas exportações feitas a partir do Petro e ofereceu a Índia um desconto de 30% sobre o petróleo, se pagos com a criptomoeda. Uma oferta que o país asiático rejeitou.

Curiosamente, em uma entrevista para o jornal nacional Cuatro F, em abril desse ano, o secretario executivo de Blockchain do país, Daneil Peña, elogiou o impacto da criptomoeda dentro de “três a seis meses”.

O centenário Instituto Brookings, por outro lado, afirmou que o Petro mina as criptomoedas legítimas, já que sua venda é essencialmente uma forma encontrada pela Venezuela para contornar as sanções internacionais e atrair capital estrangeiro.

O whitepaper da criptomoeda afirma que ela será usada para pagar impostos, taxas e serviços públicos.

Desde que foi anunciado no final do ano passado, o Petro esteve envolvido em controvérsia com a Assembleia Nacional do país – que declarou a moeda inconstitucional – e com o presidente Donald Trump, que proibiu os cidadãos e residentes dos EUA de invistirem nela.

O movimento de Trump, de acordo com as autoridades venezuelanas, foi “publicidade gratuita” que ajudou a dobrar o número de interessados na criptomoeda.

Especialistas agora acreditam que a saga do Petro deve continuar indefinidamente, já que Maduro foi reeleito como presidente da Venezuela em uma eleição altamente controversa.

Fonte: CCN