Negócios

IBM está usando criptomoeda para transações internacionais

Postado por em 16 de outubro de 2017 , marcado como , , , ,

A IBM declarou durante o Sibos 2017, um dos maiores eventos de finanças do mundo, que está usando criptomoedas para fazer transferências internacionais.

A prática é fruto da parceria da IBM com a startup de blockchain Stellar, intitulada como o futuro dos bancos. As transações utilizam a criptomoeda lumens e, por ora, estão limitadas a pagamentos da Big Blue envolvendo libras esterlinas e dólares fijianos.

Para que esse projeto se tornasse realidade, a IBM contou com outras empresas e instituições, como o Banco Nacional da Austrália. Os pagamentos são conduzidos através da APFII (Advancement of Pacific Financial Infrastructure for Inclusion), uma organização financeira fundada pelas Nações Unidas e operada pela KlickEx, uma empresa privada especializada na compensação de remessas internacionais.

IBM e Blockchain

A IBM tem sido uma das gigantes a apostar na tecnologia Blockchain para uso corporativo. A sua parceria com a Stellar, no entanto, é um movimento curioso para a empresa, já que não está relacionado com sua própria plataforma Blockchain.

Embora seja curiosa, é também uma movimentação bastante positiva para adesão da tecnologia pelo mundo, que parece ser o que a IBM esteja perseguindo.

Segundo o vice presidente de desenvolvimento global de Blockchain da IBM, Jesse Lund, fazer com que todos esses players trabalhem juntos é apenas uma extensão da missão da empresa de colaborar com as instituições financeiras para desenvolver um ecossistema de Blockchain.

Inspiração para os bancos

Essa demonstração da IBM pretende ser uma inspiração para os bancos centrais ao redor do mundo, que já tem se movimento para emissão de suas próprias criptomoedas.

“Nossa meta é suportar vários tipos diferentes de ativos digitais e estou muito confiante de que vamos ver os bancos centrais avançarem com suas próprias emissões de ativos digitais que serão uma construção muito mais formidável desse modelo”, concluiu Lund.