Tecnologia

Zuckerberg propõe uso das criptomoedas para descentralizar rede

Postado por em 8 de janeiro de 2018 , marcado como , ,

Mark Zuckerberg, fundador e CEO da rede social Facebook, postou seu desafio anual e terminou com uma convocação: “Tire o poder dos sistemas centralizados e empregue usos para a criptografia e criptomoedas”.

(Foto: catwalker/Shutterstock)

Mark Zuckerberg acredita que o grande desafio – talvez o mais importante enfrentado pelas empresas de tecnologia – seja a descentralização. Antes de chegar ao cerne do seu pronunciamento anual, Zuckeberg refletiu sobre os obstáculos enfrentados por sua companhia. “Todo ano eu escolho um desafio pessoal para aprender algo novo”, revelou no dia 4 de janeiro.

No texto, o CEO do facebook lembrou do primeiro desafio, que começou em 2009 durante a grande recessão. O Facebook ainda não tinha rendimentos e Mark Zuckeberg, hoje com 33 anos, relembra este início como “um ano austero, no qual eu amarrava um laço no dedo todos os dias, como um lembrete”.

O Facebook começou em dormitório de Harvard no começo de 2004. A plataforma ganhou popularidade e se expandiu rapidamente; e já no final do ano seguinte tinha milhões de membros. No último trimestre de 2017, a rede social registrou dois bilhões de usuários inscritos. O site ocupa o terceiro lugar de visitas, tanto nos EUA como no mundo, ficando atrás apenas do Google e Youtube, respectivamente.

“O mundo se sente ansioso e dividido [a respeito de descentralização]”, ele escreveu, “e o Facebook tem muito trabalho para fazer”. Reconhecendo as limitações da empresa, o CEO explicou que “atualmente cometemos muitos erros ao fazer cumprir nossas políticas e prevenir o mal uso das nossas ferramentas”.

Descentralização Vs. Centralização

Para Zuckerberg, “uma das questões mais interessantes na tecnóloga agora diz respeito a centralização versus descentralização”, ele ponderou. “Muitos de nós estão no universo da tecnologia por acreditar que esta pode ser uma força descentralizadora que coloca mais poder nas mãos das pessoas. (As quatro primeiras palavras de missão do Facebook sempre foi ‘dar poder aos usuários’”.

Noticias diárias sobre a rede social e outras companhias de tecnologia que potencialmente cooperam com autoridades – ajudando-os a reunir grandes quantidades de informações pessoais – pagaram um preço, refletido na confiança de pessoas médias que utilizam esses sites.

De fato, o fundador do Facebook observa que “muitas pessoas perderam a fé nessa promessa. Com a ascensão de um pequeno número de grandes empresas de tecnologia – e governos, que a utilizam para vigiar seus cidadãos – muitos usuários agora acreditam que a tecnologia apenas centraliza o poder, ao invés de descentraliza-lo”, lamentou.

Como uma possível resposta a centralização, ele finalizou seu pronunciamento com um chamado provocativo. Para ele será através das criptomoedas e da criptografia que será possível “tirar o poder dos sistemas centralizados e coloca-los nas mãos das pessoas”. Zuckerberg está “interessado em se aprofundar e estudar os aspectos positivos e negativos dessas tecnologias, e a melhor maneira de aplica-las aos nossos serviços”, ressaltou um colaborador da empresa.

É difícil saber exatamente o que ele está planejando, mas uma plataforma como o Facebook abraçando as criptomoedas – ou criando a sua própria – poderia significar um elemento dramático de mercado.

Este foi um dos poucos pronunciamentos de Zuckerberg sobre as criptomoedas. Muitos rumores sobre seu possível envolvimento no mundo das moedas virtuais vêm sendo espalhados, por anos, através do ecossistema. Mas nenhuma delas, foram formalmente confirmadas.

Fonte: news.bitcoin.com