Investimentos Tecnologia

Volkswagen solicita patente de blockchain que possibilitará comunicação entre veículos

Postado por em 5 de julho de 2018 , marcado como , , , , ,

A Wolksvagem é mais uma companhia a solicitar patente respaldada na tecnologia blockchain. O projeto envolve a comunicação entre os veículos desatinado a aumentar a segurança nas estradas.

Volkswagen solicita patente de blockchain que possibilitará comunicação entre veículos

(Foto: Pixabay)

O sistema poderá ser usado para negociar ações como a fusão de faixas, bem como alertar atividades de alto risco nas estradas.

A patente tem como alvo carros autônomos e dirigidos manualmente, e se propõe a exibir informações para um motorista ver ou simplesmente informar sobre o próximo movimento dos carros autônomos.

Dessa forma, ela descreve-se como um contrato de cooperação entre condutores, que permitirá que eles entrarem em acordos para aumentar a segurança nas rodovias.

O principal conceito da patente é a troca de mensagens entre veículos que são criptograficamente assinadas e servem para criar uma rede de carros que visa evitar colisões e trabalhar para um bom fluxo do tráfego.

Troca de mensagens

A patente explica que as mensagens são primeiramente trocadas entre um veículo e outro com cada informação contendo um “ponteiro hash”, que indica onde a informação relevante é armazenada em um blockchain.

A volkswagem não está sozinha nesse movimento de se candidatar à patentes de blockchain para melhorar seus negócios.

Exemplos como a Walmart – que solicitou uma patente para serviços médicos – e a Mastercard e a Samsug – que buscam melhorar suas logísticas e eficiência operacional – integram o grupo de multinacionais interessadas na tecnologia distribuída.

A Ford também patenteou uma tecnologia de veículos alimentada por blockchain. Ela permite o acesso preferencial em faixas em estrada entre outras funções, como a troca de criptomoedas entre os veículos.

É possível que o sistema e contratos da Volkswagen lide com negociações semelhantes, caso seja aprovado.

Fonte: CCN