Casos de uso

Ucrânia testa blockchain do NEM para promover eleições mais transparentes

Postado por em 8 de agosto de 2018 , marcado como , , , ,

A Ucrânia é o mais novo país a divulgar experimentos com blockchain que vão além de soluções voltadas para o setor financeiro. A proposta da Comissão Eleitoral Central do país está testando a tecnologia para promover mais transparência no processo eleitoral.

(Foto: Pixabay)

Oleksandr Stelmakh, um membro da comissão, comentou os planos de uso da tecnologia distribuída na última terça-feira, por meio do Facebook.

O teste começou em julho, quando Stelmakh encorajou seus amigos nas redes sociais a participar de um “teste de votação”, criado em parceria com um grupo local da Fundação NEM, a partir da sua plataforma de blockchain.

“Uma das propriedades básicas de uso da blockchain é a impossibilidade de fazer mudanças nas informações salvas…Essas são as características que estamos tentando utilizar para salvar as informações das urnas locais”, comentou ele.

 Blockchain: transparência e imutabilidade

Stelmakh ainda ponderou que o experimento foi conduzido no ambiente da blockchain NEM, com as moedas usadas para a transação “gentilmente doadas pelo representante da Fundação NEM no país, Anton Bosenko. O ambiente de teste tem 28 nós”, completou o membro da comissão.

Stelmakh não esqueceu de ressaltar que, com base nos resultados, os custos com a instalação do nó nos centros de votação estariam em torno de US$ 1.227. Que, segundo ele, é um “pequeno” preço em troca dos benefícios da tecnologia.

O trabalho do órgão oficial representa o mais recente esforço para aplicar a tecnologia ao sistema de contagem de votos, fortalecendo a ideia de que a blockchain poderia ser utilizada para criar um registro imutável, ou pelo menos auxiliar no processo de contabilização das cédulas.

Os estudos com blockchain voltados para a transparência em eleições tem avançado ultimamente, principalmente no que se refere ao voto por procuração, em que os acionistas de uma empresa se manifestam democraticamente sobre assuntos corporativos.

Fonte: CoinDesk