Mercado Regulamentação

Tribunal do Chile ordena que bancos reabram as contas das exchanges de criptomoedas

Postado por em 26 de abril de 2018 , marcado como , , , , , , , ,

O tribunal antimonopólio do Chile ordenou que dois grandes bancos reabrissem as contas de uma das maiores casas de trocas de criptomoedas do país, a Buda.

Tribunal do Chile ordena que bancos reabram as contas das exchanges de criptomoedas

(Foto: Pixabay)

A ordem do tribunal sobre o Banco Estado e o Itaú Corpbanca vem como uma reviravolta no que parecia ser uma proibição total das criptomoedas no país.

O processo impetrado pela Buda continua contra 10 bancos chilenos, incluindo os dois supracitados.

A exchange processou os bancos depois que suas contas foram fechadas em um movimento que ela chama de “arbitrário” e “injusto”.

No início desse mês, as exchanges chilenas Buda, Crypto MKT e Orionx tiveram suas contas fechadas pelos bancos do país sem nenhuma explicação.

Na época, o Banco Estado revelou que “não operava com empresas que se dedicam à emissão ou criação, corretagem, intermediação ou servissem de plataformas para as chamadas criptomoedas”.

Em resposta, as exchanges resolveram levar o caso para um tribunal de apelações. Mas no momento desse artigo a Crypto MKT e a Orionx ainda permanecem com suas contas fechadas.

Boicote contra as criptomoedas

Reportagens sugerem que as instituições financeiras do Chile estão aparentemente implementando um boicote à indústria de criptomoedas. Guillermo Torrealba, diretor executivo da Buda, foi claro em sua posição:

“Eles estão matando toda uma indústria. Não será possível comprar e vender criptomoedas em um negócio seguro no Chile. Teremos que voltar cinco anos e negociar como pessoa [física]. Parece muito arbitrário”.

Alguns acreditam que a proibição geral está vinculada ao governo chileno, já que o Conselho de Estabilidade Financeira do país – uma organização com representantes do Banco Central, Ministério da Fazenda e do regulador de valores mobiliários, bancos e fundos de pensão – emitiu um alerta sobre as criptomoedas no dia 5 de abril, pouco antes da ação dos bancos de encerrarem as contas das exchanges.

No dia 27 de março, o diretor executivo do Itau Corpbanca, Milton Maluhv, afirmou que o banco apoia as startups e as novas tecnologias, enquanto argumenta que as criptomoedas precisam de uma maior regulamentação.

A Crypto MKT revelou ter ficado sem acesso às operações bancarias depois que o Bando Estado fechou sua conta. A Orionx, por outro lado, afirmou que os fundos dos usuários eram “totalmente respaldados” e que “não havia risco de insolvência”.

Fonte: CCN