Regulamentação

Revogação de neutralidade da rede e uso de Ethereum podem contribuir com ascensão da mesh

Postado por em 14 de dezembro de 2017 , marcado como , , , , ,

Uma reunião de tecnologia em um bar mal iluminado na cidade de Nova Iorque. Até agora, nada fora do comum. Mas o que há de peculiar a respeito deste encontro é o fato de outros locais, ao longo da East Village, estarem conectados ao nó habilitado para a rede Wi-Fi do bar; possibilitando a qualquer um na área não apenas se afastar de todos os sinais alheios, como visitar sites apenas acessíveis a outros contados nesta rede específica, a mesh.

(Foto: Pixabay)

Uma tecnologia de década e conhecida como rede mesh, ou rede de malha, esta tecnologia de décadas – uma alternativa ao protocolo padrão 802.11 para diretrizes de trafego de dados e voz – permite aos usuários navegar na internet sem a necessidade dos tradicionais provedores de serviços (ISP) e isto poderia encontrar uma nova vida entre os entusiastas de blockchain, enquanto a U.S Federal Communication Commission (FCC) se prepara para revogar a “neutralidade de rede” nesta quinta feira.

A neutralidade da rede, ou as regras que asseguram o acesso igual a internet, tem historicamente proibido os ISPs de cobrar mais dos usuários por um melhor serviço, e sua revogação, aos olhos de muitas pessoas, resultaria em um serviço de qualidade inferior para usuários médios da internet.

Mas de acordo com os presentes no evento, a decisão do FCC poderia indiretamente atuar como um ponto de inflexão dando um salto à uma nova onda de inovação para a rede mesh. Karl Floersch, um desenvolvedor de Ethereum e pesquisador da Casper, conversou com a CoinDesk:

“Se consegurirmos algum regulamento louco de neutralidade rede, então eles podem esperar por um ambiente de rede mesh louco de volta”.

E isto já começou. Após anos de um esforço de base, a rede de NYC Mesh, apoiada por doadores, tem crescido organicamente para 70 nós. Mas o significativo número de 50 participantes no encontro foi inédito e trouxeram com eles novas ideias sobre como incentivar o crescimento da rede.

Blockchain fortalece rede mesh

Neste caso, Floersch pensa o Ethereum, o segundo maior blockchain do mercado, como uma possibilidade de ajuda. Ele apoia a ideia de que se a neutralidade de rede for abolida, a tecnologia de blockchain poderia ser usada para romper os intermediários quem prestam atualmente o serviço – Verizon, AT&T e Comcast, por exemplo.

O desenvolvedor descreveu um sistema baseado em Ethereum que roda “em segundo plano” em qualquer dispositivo móvel. Utilizando uma série de interconexões de contratos inteligentes, o dispositivo móvel teoricamente poderia ser transformado em um “nó” habilitado para Wi-Fi, ajudando a expandir o alcance da rede mesh.

E tudo isto poderia ser incentivado por um “meshcoin” baseado em blockchain. “O Ethereum e a rede mesh são uma combinação fantástica”, ponderou Floersch, e acrescentou “O Ethereum vai permitirpara o tipo de pagamento Back-end que fará da mesh uma rede escalável”.

Embora o interesse de Floersch permaneça mais teórico, o programador de Ethereum, Hayden Adams, também presente no evento, informou estar investigando ativamente como o conceito de meshcoin poderia operar.

Fundador do Ethereum Programming Services LLC, Adams disse ao CoinDesk que este é o momento perfeito para o conceito decolar. Visto que as soluções de escalabilidade fora do bloco do ethereum estão na cúspide, ele acredita, este é o momento para fazer avanços significativos.

Mesh em crescimento

Enquanto Floersch mencionou canais estatais, Adam acrescentou o recente anuncio do Plasma com a solução de escala para a lista de tecnologia que ajudaria a reinventar o esquema de incentivo da NYC Mesh, assim como aqueles conectados a rede mesh ao redor do mundo.

Das incontáveis redes mesh que crescem no planeta, a maior delas, na Catalunha, no momento conta com mais de 37 mil nós ativos. Para pagar por tudo isso, a maioria é apoiada por doadores e alguns criaram fundações.

Por exemplo, a NYC Mesh foi fundada, em sua parte, por doações, incluindo o valor de $30 mil, proveniente da organização sem fins lucrativos Internet Society. No entanto, mais pra frente, Adams acredita que um token baseado em Ethereum poderia ser usado para permitir aos usuários da rede mesh pagarem pela largura da banda.

“Se você quisesse levar isto para uma escala maior, você precisaria adicionar alguma sustentabilidade e eu acho que poderia vir através de um sistema blockchain”, refletiu Adam.

Limitações à rede mesh

A despeito de todas as promessas, um dos mais influente defensores da rede mesh continua cético a respeito da usabilidade do blockcahin. Desde 2015, o engenheiro de software Brian Hall, vem ajudando seus vizinhos a instalar o hardware requerido para se tornar um nó da mesh e, enquanto ele lê um punhado de relatórios oficiais detalhando a promessa do blockchain para a mesh, ele ainda não enxerga nenhum hardware rodando no software blockchain.

Em um artigo para um blog no começo deste ano, Hall detalhou um número de razões pelas quais ele acredita no conceito de meshcoin e sete outras ideias que estão tentando misturar o blockchain a rede mesh de uma forma equivocada.

Ele argumenta que todos esses projetos falham em dois pontos. Primeiro, os nós da mesh precisam estar geograficamente perto uns dos outros, ao contrario dos nós de blockcahin e, segundo, aumentar esta rede requer uma grande quantidade de capital social para angariar doadores. “90% do trabalho é um problema social. E este tipo de desvio de todas as ideias de meshcoin”, esclarece Hall.

No entanto, Floersch e Adams argumentam que o componente social é exatamente onde os incentivos de cripto-token poderiam ajudar.

Mudanças a caminho

As redes mesh nos transportam até o final da década de 1990 quando a internet estava começando a ganhar adoção generalizada. E desde então, comunidades pequenas tem formado em volta da rede mesh princípios de descentralização e privacidade e até comprovaram sua capacidade de inovar em face da concorrência.

Este aparecimento empolgante e a definitiva ascensão é percebida semelhante ao que ocorreu quando as criptomoedas surgiram. E Hall concorda, mesmo que o ceticismo permaneça.

“Praticamente todas as pessoas tecnológicas interessadas na rede mesh destinam atenção às criptomoedas, e eu estou entre elas”, confessou. E concluiu com exaltados conselhos “Esqueçam os relatórios oficiais, façam um protótipo, obtenham três roteadores e consigam executar algo. Estamos sobre a fase dos relatórios dessa coisa”.

Fonte: CoinDesk