Geral

Méliuz (CASH3) registra prejuízo de R$ 6,69 mi no 2º trimestre

Postado por em 20 de September de 2021 , marcado como

No segundo trimestre de 2021, a Méliuz (CASH3) registrou um prejuízo líquido de R$ 6,69 milhões. Já no mesmo período de 2020, a companhia havia registrado um lucro líquido de R$ 6,5 milhões.

A companhia informou ainda que a geração de caixa, medida pelo Ebitda foi R$ 7,2 milhões negativos. Segundo a Méliuz (CASH3) , esse resultado se deu principalmente devido a itens extraordinários que somaram R$ 4,8 milhões no trimestre.

Desconsiderando estes itens extraordinários, o Ebitda ajustado seria de R$ 2,4 milhões negativos.

Receita da Méliuz (CASH3) dobra no trimestre

A receita líquida da Méliuz (CASH3) no balanço do 2T21 atingiu R$ 54,5 milhões, mais que o dobro do verificado no 2T20, com R$ 24,8 milhões.

Balanço da Méliuz (CASH3)

Balanço da Méliuz (CASH3)

Segundo a Méliuz (CASH3), da receita total, R$ 47 milhões são derivados da operação no Brasil e R$ 8 milhões na operação internacional.

A companhia informou ainda que a entrada de Picodi (a partir de março de 2021), Promobit e Melhor Plano (a partir de maio de 2021) foram responsáveis por aproximadamente 37% do crescimento da receita.

Considerando o acumulado dos últimos 12 meses, a receita líquida total foi de R$ 175,3 milhões, sendo R$ 164 milhões referentes a operação no Brasil e R$ 11 milhões do internacional.

Volume de vendas (GMV)

Ao final do segundo trimestre de 2021, o GMV total gerado pela Méliuz (CASH3) foi de R$ 1,1 bilhão, sendo R$ 905 milhões referentes ao Brasil e R$ 239 milhões de suas operações internacionais.

“Esse valor foi 128% maior que no 2T20, quando atingimos o volume de R$ 515 milhões”, destacou a empresa.

O 2T21 foi o primeiro trimestre em que a Méliuz (CASH3) consolidou o resultado das aquisições de Picodi, Promobit e Melhor Plano, diferente do 1T21, quando só havia sido consolidado o mês de março para Picodi.

Na base anual, o GMV total da Méliuz (CASH3) atingiu R$ 3,7 bilhões, contra R$ 3 bilhões verificados no acumulado do primeiro trimestre de 2021.

Balanço da Méliuz (CASH3)

Balanço da Méliuz (CASH3)

Quando comparado ao período de 12 meses encerrados em 30 de junho de 2020, o GMV apresentou um crescimento de 1,7 bilhão.

O GMV gerado somente pelo Méliuz (CASH3) no segundo trimestre de 2021 foi de R$ 873 milhões, 74% acima do 2T20, quando atingiu R$ 515 milhões.

Já o GMV gerado pela Picodi e Promobit (este a partir de maio de 2021) foi de R$ 267 milhões no 2T21, sendo o primeiro trimestre reportado após as respectivas aquisições e, portanto, não há base de comparação.

“Em relação à nossa atuação internacional, ao longo do 3T21 iniciaremos a implementação da nossa estratégia de retenção de usuários da Picodi. Inicialmente, vamos atuar em fase de testes, em apenas 9 dos 44 países em que a empresa está presente, usando features como o cashback” declarou a Méliuz (CASH3).

Base de Usuários dispara

Ao final do segundo trimestre, a Méliuz (CASH3) registrou 18,8 milhões de contas, um crescimento de 2,3 milhões de usuários ou 14,6% em relação ao trimestre anterior.

Já na comparação com os últimos 12 meses, a empresa quase dobrou a base de usuários, saindo de 10 milhões no 2T20 para 18,8 milhões no 2T21.

Balanço da Méliuz (CASH3)

Balanço da Méliuz (CASH3)

A companhia informou que o resultado foi fruto da aceleração e diversificação das estratégias de aquisição de novos usuários.

Nos últimos 12 meses, findos em 30 de junho de 2021, a companhia totalizou 8,8 milhões de usuários ativos, alta de 23,9% em relação ao 1T21.

Na comparação anual, a base de usuários praticamente quadruplicou visto que a empresa tinha 2,4 milhões de usuários ativos ao final do 2T20.

“Essa evolução é fruto dos esforços da companhia não apenas em trazer novos usuários, mas também em retê-los e engajá-los a continuar ativos na plataforma, oferecendo, inclusive, a oportunidade de experimentarem outros produtos e serviços”, disse a Méliuz.

Confira o balanço da Méliuz na íntegra no site da empresa.

Sobre a Méliuz (CASH3)

A Méliuz é uma startup brasileira, fundada em 2011, que disponibiliza em sua plataforma cupons de desconto de lojas online e devolve ao consumidor, em dinheiro (conceito cashback).

Ao todo são mais de 3.000 lojas parceiras que já devolveram aos clientes mais de R$ 94 milhões.

Atualmente, o Méliuz conta com 671 pessoas no time, incluindo as aquisições dos últimos trimestres (Acesso Bank pendente da aprovação do Banco Central).

A companhia realizou sua oferta inicial de ações (IPO) em 05 novembro de 2020, sendo a primeira startup a ser listada na B3.

Em sua estreia na Bolsa a companhia levantou mais de R$ 629 milhões com os papéis fixados a R$ 10.

Siga o Criptoeconomia nas redes sociais!