Mercado Regulamentação

Japão penaliza exchange de criptomoedas por envolvimento com Yakuza

Postado por em 22 de junho de 2018 , marcado como , , ,

O regulador financeiro japonês emitiu alertas de conduta para 6 das 16 trocas de criptomoedas licenciadas no país. A agência confirmou que pelo menos uma delas tem alguma forma de envolvimento com a organização criminosa Yakuza.

Japão penaliza exchange de criptomoedas por envolvimento com Yakuza

(fonte: Pixabay)

A Bitflyes, maior troca de criptomoedas do Japão em volume, recebeu uma “penalidade administrativa” do órgão regulador do país. A agência informou que após uma inspeção, “não foi estabelecido um sistema de gestão eficaz que garantisse a operação adequada e confiável dos negócios, bem como medidas contra a lavagem de dinheiro e o financiamento do terrorismo”.

A exchange deve apresentar um relatório por escrito à agência até o dia 23 de julho. O regulador ainda declarou:

“A administração [da casa de câmbio] não estabeleceu um sistema de controle interno – incluindo uma auditoria interna – dando prioridade a redução de custos”.

A bitflyer pediu desculpas aos seus clientes e delineou planos para atender a agência. A fim de “construir prontamente um sistema de gerenciamento de identidade adequado para os usuários exigentes, decidimos verificar novamente o status de aprovação”, escrever a Exchange. Acrescentando que:

“ Se, por algum motivo, forem confirmados defeitos e ineficiência nas informações de registro de um cliente, será necessário reimplementar o processo de confirmação da pessoa. Portanto, em alguns casos, solicitaremos aos usuários que reapresentem seus documentos de confirmação de identidade. Pedimos desculpas por qualquer inconveniente”.

Envolvimento com o crime organizado

Em uma entrevista para a News.Bitcoin, em Tóquio, a FSA confirmou que pelo menos uma das seis trocas de criptomoedas autuadas tem algum tipo de envolvimento com grupos do crime organizado, particularmente com a Yakuza.

Sem especificar qual seria essa exchange, um porta-voz da agência comentou:

“A FSA descobriu que algumas empresas não possuem um banco de dados atualizado para a triagem de indivíduos inscritos…Recomendamos enfaticamente que essas empresas removam todos os vínculos com forças anti-sociais [grupos do crime organizado].

À medida que a indústria de criptomoedas cresce no Japão, a FSA pontua a necessidade de que as exchanges trabalhem em conjunto com as autoridades locais; a fim de criar um ambiente cada vez mais seguro e com sistemas de monitoramento adequados, incluindo a triagem de identificação de usuários .

Fonte: News.Bitcoin