Geral

Itaú estaria investindo em Ethereum através da Kinea

Postado por em 18 de October de 2021 , marcado como , ,

A empresa de investimentos Kinea, que pertence ao Itaú Unibanco, estaria investindo em Ether.

Um dos sócios da empresa diz que investimento em ETH vale a pena.

Kinea: investimento em criptomoeda é “tendência”

A Empresa Kinea tem R$ 56 bilhões em ativos e está investindo em criptomoeda.

A justificativa para ação é que essa é uma ‘tendência secular’

Portanto, a Kinea Investimentos, que é considerada uma das maiores do Brasil, começou oficialmente a investir em criptoativos.

Experimentando ETH

De acordo com a Folha de S.Paulo, Marco Aurélio Freire, que é sócio e gestor dos fundos líquidos da Kinea, comentou em uma entrevista ao jornal que há aproximadamente dois meses a empresa aportou um valor baixo, como um experimento, na criptomoeda ether.

Segundo a reportagem, esta é a primeira empresa desta área e deste tamanho, a confirmar abertamente um aporte em criptoativos.

O administrador da Kinea declarou:

“Vejo as criptomoedas como uma tendência secular em que vale a pena ter uma exposição.”

A Kinea, empresa de investimentos do Itaú Unibanco, atingiu no final do mês de setembro, aproximadamente R$ 56,6 bilhões em ativos.

Kinea: criptomoedas geram processo de descentralização

No ponto de vista de Freire, a tecnologia blockchain está formando um importante processo de descentralização do setor econômico.

Mesmo sem saber onde tudo isso vai terminar, o administrador comenta que faz sentido ter cripto na carteira.

“As pessoas geralmente confundem criptomoedas com Bitcoin, só que no mercado de criptomoedas tem muito mais coisa do que só o Bitcoin.”

Ele se recorda da relevância dos NFTs, que têm sido consumidos cada vez mais nos ramos esportivos e artísticos.

De acordo com a Folha, os administradores da Kinea já tinham mostrado que, pelo fato do Bitcoin ter sido o primeiro criptoativo, seu design é um tanto simples comparado aos pares que vieram depois, como expressaram no artigo:

“Acreditamos que moedas e protocolos mais desenvolvidos devam ser mais atraentes para os investidores”, afirma Freire.

Muitos pensam que a aceitação de regulações sobre criptomoedas pode ser um elemento positivo para o progresso dos seus negócios, pois poderia abrir mais espaço para investidores institucionais com grandes volumes financeiros.

Diversificação diante de situação econômica mundial.

Como noticiou o jornal, para ele, dentro das carteiras globais, a grande parte dos investimentos (aproximadamente 70% do risco dos fundos multimercados da empresa) estão voltados às disputas no mercado internacional, com os 30% remanescentes nos ativos locais.

Freire confirmou ainda:

“A diversificação internacional será cada vez mais necessária até termos uma clareza sobre as eleições no Brasil”.

Com isso, o Itaú planejava reservar parte dos recursos de uma de suas empresas em criptoativos.

Dessa forma, a Kinea Investimentos vinha analisando o mercado de criptoativos para enfim dar esse passo.

Agora, com a concretização do investimento, o Itaú, que sempre um dos bancos menos favoráveis às criptomoedas sela sua posição.

Isso não quer dizer que os tempos tensos entre o Itaú e as corretoras acabou.

Mas pelo menos, o Itaú aos poucos vai ajudando a comprovar que as criptomoedas têm vencido aqueles que antes eram totalmente avessos à essa tecnologia.

Para um guia sobre como comprar Ethereum, clique no link!

Siga o Criptoeconomia nas redes sociais!