Casos de uso

Governo das Bahamas caminha para a criação de uma criptomoeda estatal

Postado por em 26 de junho de 2018 , marcado como , , ,

As Bahamas se juntou a uma pequena lista de países que planejam implementar moedas digitais emitidas pelo Banco Central.

Bahamas caminham para a criação de uma criptomoeda estatal

(Foto: PIxabay)

O vice-primeiro ministro do país, que também atua como Ministro da Fazenda, K. Peter Turnquest, anunciou, durante a recente “Conferência de Blockchain e Criptomoedas das Bahamas” que o Banco Central do país se prepara para introduzir uma moeda digital piloto.

Com as Bahamas formada por mais de 700 ilhas, Turnquest comentou que a moeda digital ajudaria as localidades “sem bancos”. Já que, devido ao tamanho reduzido, alguns arquipélagos acabam não contando com os serviços vitais de algumas instituições bancárias.

Uma necessidade, não um capricho

Com uma moeda digital do Banco Central, a necessidade de viajar longas distâncias para acessar esses serviços seria reduzida, tornando a vida mais conveniente em um país onde o transporte é problemático e caro, comentou Turnquest.

O vice-primeiro-ministro das Bahamas também pontuou que uma moeda digital melhoraria os negócios no país.

“A digitalização do nosso governo e serviços financeiros aumenta tanto a nossa capacidade de fazer negócios como a nossa estrutura digital nas Bahamas”.

Mais ao norte, quem se une ao exemplo de implementar uma moeda digital nacional é o Canadá. Noruega e Suécia também cogitam a ideia.

No mês passado, por exemplo, Norges, o banco central da Noruega, divulgou um documento de trabalho que discutia longamente a criação de uma criptomoeda.

De acordo com um documento de estudo, o objetivo da moeda digital seria o de servir como uma moeda legal, complementar ao dinheiro.

Para Oystein Olsen, o diretor do Norges Bank, uma das razões consideradas para a aplicação de uma moeda digital é o declínio do uso do dinheiro de papel.

Esse também foi a motivação citada pelo banco central da Suécia, o Riksbank, para emitir sua própria criptomoeda.

Para Stefan Ingves, diretor do Riksbank, a moeda digital do banco seria conhecida como e-krona e demoraria entre 36 e 48 meses para se materializar.

A pesquisa também foi conduzida pelo Banco da Inglaterra (BoE), com o objetivo de determinar os riscos e benefícios que viriam de uma moeda digital emitida pelo Banco Central.

Embora não tenha sido aprofundado, o documento de estudo do BoE chegou à conclusão de que essa moeda não teria um impacto adverso na liquidez total da economia ou mesmo sobre o credito privado.

Fonte: CCN