Mercado

Google banirá todas as propagandas de criptomoedas e ICOs em junho

Postado por em 14 de março de 2018 , marcado como , , , , ,

A partir de junho de 2018, o Google irá banir propagandas online que promovam qualquer conteúdo relacionado às criptomoedas.

Goggle

(Foto: Pixabay)

A medida faz parte de sua política de serviços financeiros recém-atualizada que introduz limites em vários serviços considerados de alto risco.

Conforme destaca o trecho da “nova política de produtos financeiros” do Google, a proibição se estende para:

“Criptomoedas e conteúdos relacionado (como ICOs, compra e venda, carteiras de criptomoedas e conselhos comerciais de negociação de moedas virtuais)”.

Além disso, o Google também disse que os agregadores e afiliados que utilizam seus anúncios não poderão hospedar material promocional relacionado às criptomoedas.

Em outras palavras, o gigante da internet está efetivamente desativando qualquer propaganda relacionada às moedas virtuais em seu site, bem como em site de terceiros que utilizam seus produtos de anúncio.

Dois pesos, duas medidas

A proibição, uma mudança que pretende eliminar as fraudes no espaço criptográfico, também impactará empresas legítimas ou “reguladas” que oferecem serviços voltados para criptomoedas.

Em pronunciamento para a CNBC, o diretor de anúncios sustentáveis do Google, Scott Spencer, explicou a medida como preventiva e necessária para proteger os consumidores.

“Nós não temos uma bola de cristal que revele para onde o futuro caminhará com as criptomoedas, mas temos visto enorme dano ao consumidor ou potencial prejuízo, e esta é uma área que queremos abordar com bastante cautela”.

A mudança de política vem junto com a divulgação do relatório anual de “anúncios ruins” do Google, que aponta para mais de 3.2 milhões de propagandas retiradas em 2017, por violação das normas.

O companhia também revelou uma lista negra com 90 mil sites e 700 mil aplicativos para dispositivos móveis que violaram as políticas publicitárias.

A proibição do Google segue um movimento semelhante ao do Facebook, que também baniu a publicidade relacionada às criptomoedas no começo de Janeiro deste ano.

O Facebook censurou o que classificou como “praticas promocionais depreciativas ou enganosas” adotadas por empresas que promovem ICOs ou criptomoedas.

Segundo a rede social, a medida se estenderá a outras plataformas de propriedade do Facebook, como o Instagram. “Vamos rever estas políticas e como as reforçaremos à medida que nossas percepções avancem”, disse o Facebook na época.

Fonte: CCN