Investimentos Regulamentação

Filipinas concede licenças para exchanges de criptomoedas em troca de incentivos no país

Postado por em 11 de julho de 2018 , marcado como , , , , , ,

As autoridades da Zona Econômica de Cagayan, (CEZA) nas Filipinas, concederam três licenças provisórias de criptomoedas para operação no país. Todos as três exchanges contempladas são empresas estrangeiras, incluindo duas de Hong Kong e uma da Tailândia.

Filipinas concede licenças para exchanges de criptomoedas em troca de incentivos no país

(Foto: Pixabay)

Em contrapartida, as empresas fizeram investimentos substanciais financeiros e de emprego nos arquipélagos.

“São empresas offshore que se comprometeram em investir US$ 1 milhão, cada”, afirmou Raymundo T. Roquero, vice-presidente da CEZA.

Uma das exchanges de criptomoedas contempladas foi a Golden Millennial Quickplay, de Hong King e a nova licenciada “pretende construir infraestrutura em Sta. Ana, em Cagayan”, comentou Roquero para o The Manila Times, jornal local.

Com três casas de câmbio autorizadas, significa que US$ 3 milhões serão adicionados aos cofres públicos do governo. Dinheiro que será investido no desenvolvimento de rotas marítimas trans-pacíficas, devido a localização estratégica dos arquipélagos.

A esperança é estabelecer negociações com a APEC (Cooperação Econômica Ásia-Pacífico) e, ao mesmo tempo, permanecer acessível ao comércio internacional.

Desenvolvimento local

A notícia é muito bem-vinda na comunidade de criptomoedas, pois há duas semanas a CEZA afirmou que investiria na atração de exchanges, na esperança de trazer negócios significativos para o país.

O valor de US$ 1 milhão de investimento visa impedir que tais zonas se transformem apenas em mecas de Initial Coin Offerings (ICO).

Raymundo T. Roquero comentou que cerca de 70 empresas solicitaram a aceitação do CEZA.

Quando elas aplicam, devem pagar 100 mil dólares pela taxa de inscrição”, ponderou ele. “Então você entra em verificações de probidade, depois em Integração de Programação de Aplicativos (API), que custa mais 100 mil adicionais. Três outros requerentes já pagaram integralmente essas obrigações, mas ainda estão passando por verificações de lisura”.

As taxas são “todas não reembolsáveis. Se você falhar na verificação de probidade, você não poderá ter este valor de volta. As empresas querem investir aqui porque somos os primeiros a fornecer regras e regulamentos para as criptomoedas”, finalizou Roquero.

Fonte: News.Bitcoin