Mercado Tecnologia

Empresa brasileira lança smartphone com carteira de criptomoedas integrada

Postado por em 5 de março de 2018 , marcado como , , , , , , , , , ,

Três anos após o lançamento de um smartphone com características especiais de segurança, a empresa brasileira Sikur, apresentou o SikurPhone.

Um telefone inteligente com uma carteira de criptomoedas pré-instalada que inclui integração com a nuvem.

Sikur criptomoedas

(Foto: Mashable)

O aparelho é focado no gerenciamento e armazenamento de criptomoedas e foi projetado sob o sistema operacional Android Nougat 7.0 (embora apresente modificações importantes em função de uma maior segurança).

A empresa denomina seu sistema operacional de SikurOS, que não está disponível na loja de aplicativos do Google Play nem permite a instalação de apps não autorizados pelo Sikur.

O anúncio foi feito esta semana, no evento Mobile World Congress (MWC), em Barcelona e dntre as criptomoedas que podem ser armazenadas estão Bitcoin, Litcoin, Ethereum, Dash e Ripple.

Smartphone para negócios

A restrição na hora de instalar aplicativos pode tornar o SikurPhone mais seguro, no entanto não permite que se converta no celular principal de um executivo, que normalmente combina em seu celular aplicativos de negócios e apps pessoais.

Em suma, o sistema oferece outras características vinculadas ao mundo das criptomoedas, tais como informações de mercado e notícias do ecossistema de mais de 5 mil fontes midiáticas, visando mantê-lo atualizado sobre possíveis incidentes em seus investimentos.

Da mesma forma, oferece suporte nativo ao testnet de Bitcoin [uma rede alternativa ao Bitcoin tradicional] para que se possa rodar aplicativos que estejam na fase de testes – como o Lightning Network – e consiga mantê-lo na vanguarda da tecnologia.

Mercado em expansão

Sikur não é a primeira empresa de telefonia que integra uma carteira de criptomoedas em seus dispositivos.

No início de dezembro, o Sirin Labs anunciou o smartphone Finney, para o qual teve o aval do jogador de futebol Leonel Messi como “embaixador Blockchain”, e será lançado no segundo semestre deste ano.

A diferença entre o SikurPhone e o Finney é que o primeiro faz um backup da carteira na nuvem, de modo que caso o dispositivo fique danificado, seja

extraviado, perdido ou roubado, o usuário afetado consiga restituir sua carteira com um novo SikurPhone.

Na Finney, por outro lado, a carteira de hardware tem um conector de energia independente e pode ser separada do telefone com a ajuda de um interruptor e a chave privada é armazenada apenas no telefone.

No Sikur a chave privada está protegida em seus servidores, alternadamente. O Sirin Lab gera novamente a chave para acessar o blockchain.

A Sikur está recebendo pedidos antecipados do SikurPhone, mas o preço é salgado US$ 799. A ideia é fabricar apenas 20 mil unidades que serão despachadas em agosto desse ano.

Fonte: Criptonoticias.com