Análise Gráfica

Confira o por quê essas duas moedas foram as únicas que não caíram hoje

Postado por em 18 de September de 2021 , marcado como

O mês de setembro se confirma mais uma vez como um dos piores do segundo semestre no mercado cripto historicamente falando. 

Hoje, no dia 17/09, com o Bitcoin apresentando sinais de instabilidade e baixa volatilidade, a maioria das moedas se encontram num patamar de queda, mesmo que momentâneo. 

As criptomoedas IOTA (MIOTA) e EOS foram as que apresentaram valorização positiva expressiva nas últimas 24h, e é esse movimento que iremos analisar. 

IOTA

IOTA é uma criptomoeda criada em julho de 2016 para uso no campo de Internet das Coisas (Internet of Things – IoT). Sua rede é capaz de garantir a integridade dos dados de negociação sem a presença de mineradores e/ou taxas de transação.

Enquanto o mundo avança cada vez mais em direção a uma realidade onde as máquinas interagem entre si, o projeto da IOTA  cai como uma luva. 

Seu sistema “frictionless” permite justamente o que as máquinas precisam: taxas e tempo de validação nulos, fazendo com que o “delay” para se concluir uma ação seja bem próximo de 0.

Analisando o gráfico a partir do seu topo histórico em abril deste ano, podemos traçar uma linha de tendência de baixa (LTB) que foi rompida no dia 01/09. Como resultado disso, uma valorização de aproximadamente 100% se sucedeu, e seu preço saiu de 0.95 USD e chegou a alcançar a casa dos 2 USD. 

alt: Gráfico com LTB traçada, indicando o momento de seu rompimento e a valorização resultante.

Traçando uma retração de Fibonacci a partir desse novo topo, conseguimos identificar possíveis pontos de entrada caso o ativo se mantenha em tendência de alta.

  • alvo 0.5 de Fibonacci, cotado em 1.51 USD
  • alvo 0.618 de Fibonacci, cotado em 1.38 USD (melhor ponto de entrada)

alt: Gráfico com retração de Fibonacci traçada e seus alvos sublinhados.

EOS

EOS é definido como um sistema operacional feito especificamente para empresas, permitindo que elas consigam construir aplicativos em Blockchain como uma forma alternativa à tradicional web, porém com uma estruturação bem parecida. 

Existem dois pontos principais e em comum com a IOTA, que tornam a EOS especial: o primeiro, é a ausência de taxas de transação, e a segunda é o nível de escalabilidade que a rede suporta. 

Segundo os desenvolvedores, sua blockchain é capaz de realizar milhões de transações por segundo, enquanto o BTC faz 7, ETH 15 e a Visa 65.000.

Olhando para o gráfico, podemos ver que seu movimento também está parecido com o da IOTA, porém, sem a explosão de preços. Traçando uma LTB a partir do último topo, podemos perceber que o preço está representando força ao buscar a LTB, mesmo com o BTC “caindo”. Isso mostra uma força compradora presente, assim como foi visto com Solana em períodos anteriores de queda, e ela se valorizava mesmo assim. 

alt: Gráfico com LTB traçada e um possível toque indicado pelo círculo vermelho.

Utilizando o gráfico diário, podemos traçar uma retração de Fibonacci sobre o último movimento de alta, e disso conseguimos  estipular alguns bons alvos para entrada visando o médio/longo prazo:

  • alvo 0.5 de Fibonacci, cotado em 4.81 USD
  • alvo 0.618 de Fibonacci, cotado em 4.44 USD (melhor ponto de entrada)

alt: Gráfico com retração de Fibonacci traçada e alvos destacados.

Nova tendência no mercado?

Combinando todos os fatores abordados no artigo, talvez uma nova tendência possa ser identificada: com um mercado em queda, e as criptomoedas que mais subiram são as que possuem taxa zero e foco em escalabilidade, esse pode ser um sinal de que a busca pela mais rápida e barata ainda não chegou ao fim. 

Mas agora é um pouco diferente. Pelo fato de as duas moedas terem sido fundadas há mais de 4 anos, talvez esse seja outro fator que os investidores estão levando em conta: a prova de tempo. Projetos mais recentes tendem a ter menos confiança, e por outro lado, esses projetos citados já estão no mercado há bastante tempo.

O recente bug na rede Solana também pode ter sido um gatilho para essa alta, como se os investidores estivessem migrando de uma blockchain para outra, com o intuito de fugir do movimento de manada.

Siga o Criptoeconomia nas redes sociais!