Mercado Tecnologia

Cofundador do Ripple defende descentralização da rede para sucesso das criptomoedas

Postado por em 27 de março de 2018 , marcado como , , , , , ,

Cofundador do Ripple, Jed McCaleb, defende que uma rede descentralizada é necessária para que as criptomoedas sejam bem sucedidas a longo prazo. E revela que este foi o motivo pelo qual deixou o Ripple para fundar a Stellar, em 2014, onde atua como diretor de tecnologia.

(Foto: C-Suit Network)

Segundo ele, um sistema centralizado de pagamento “não será melhor que o PayPal ou o Swift”, disse ele à CNB, e acrescenta que a descentralização fornece o caminho para o crescimento e a onipresença da rede.

Ripple é centralizada

McCaleb co-fundou o Ripple – cuja moeda é a terceira maior criptomoeda em valor de mercado – mas se separou do time devido a crenças divergentes sobre a execução do sistema.

Ele comentou ser muito difícil rodar nós fora do Ripple Labs, exigindo que a equipe execute a maioria dos nós da rede. Por esse motivo considera o sistema adotado pelo Ripple centralizado; o que para ele, esse fato em si, deve preocupar as pessoas.

McCaleb defende que a Stellar teve um bom desenvolvmento em parte porque não limitou sua base de investidores a apenas alguns participantes bem sucedidos. A moeda foi distribuída amplamente.

O tempo de liquidação das transações da criptomoeda é de cinco segundos ou menos, o que o torna muito mais rápido que o Bitcoin, ele observou.

O desenvolvedor, que também criou a exchange de Bitcoin Mt. Gox e, em seguida, vendeu em 2011, pontuou que a única outra rede descentralizada de sucesso que ele viu foi a internet.

“O que estamos tentando construir na Stellar é um protocolo no nível da internet”, disse o diretor de tecnologia. “É importante que isso seja feito por uma entidade sem fins lucrativos. Se você imaginar uma internet criada por uma empresa sem fins lucrativos, seria um mundo completamente diferente”.

Blockchain e criptomoedas para mudar o mundo

As moedas XLM da Stellar, conhecidas como Lumens, estavam entre as 10 maiores criptomoedas por capitalização de mercado no começo deste ano, mas a moeda caiu aproximadamente 34%, desde então.

McCaleb acredita que as criptomoedas e a tecnologia blockchain irão mudar a dinâmica dos bancos no futuro, gerando um livro-razão público onde todos terão acesso mas que não poderá ser alterado aleatoriamente.

Para os próximos 10 anos, McCaleb prevê que a maioria dos ativos, incluindo aqueles ativos não criptográficos, serão digitalizados.

Fonte: CNBC