Mercado Regulamentação

Bancos na Índia estão proibidos de efetuar transações relacionadas com criptomoedas

Postado por em 6 de abril de 2018 , marcado como , , , , ,

O Banco Central da Índia (RBI), orientou, por meio de uma declaração, todas as entidades regulamentadas, inclusive os bancos, a não fornecerem serviços para empresas que negociam Bitcoin e outras criptomoedas, no país.

(Foto: Pixabay)

Segundo a assessoria de imprensa, o banco justifica sua posição como uma maneira de proteger o interesse do consumidor e evitar a lavagem de dinheiro.

A declaração, de autoria do diretor geral do RBI, Jose J. Kattoor, “estabelece várias medidas de desenvolvimento e regulamentação para fortalecer os mercados financeiros, melhorar a gestão de moedas, promover a inclusão e alfabetização financeira e facilitar o gerenciamento de dados”.

O RBI também anunciou a formação de um grupo de estudos oficial, para aconselhar o segundo país mais populosos do mundo, sobre a viabilidade de emitir sua própria criptmoeda apoiada pelo Estado.

O bloqueio, portanto, é justificado devido “aos riscos associados”, com o RBI decidindo que “com efeito imediato, as entidades reguladas pelo Banco Central não tratarão ou fornecerão serviços a qualquer indivíduo ou entidade de negócios que lidem ou liquidem moedas digitais”.

A declaração ainda ressalta que “As entidades reguladas que já fornecem esse serviço devem sair da relação dentro de um prazo específico. Uma circular a esse respeito será emitida me breve”.

Criptomoedas: Cerco fechado

No segundo país mais populoso o mundo, o governo vem encontrando dificuldades para diminuir o consumo de criptomoedas.

Embora tenha declarado, muitas vezes oficialmente, que as moedas virtuais são um perigo, seus cidadãos parecem não estar recebendo a mensagem.

A mídia regional descreve o fenômeno das criptomoedas na nação como uma “mania”.

Durante uma conferência, o vice-governador do Banco Central da Índia, BP Kanungo, nomeado para o cargo há quase um ano, anunciou que os bancos ligados às criptomoedas teriam três meses para se desvencilhar dos seus negócios.

Kanungo ressaltou que os governos do mundo todo estão lutando com a regulamentação de criptomoedas e ignorá-las pode afetar a estabilidade financeira do país.

Fonte: News.bitcoin