Mercado

Retrospectiva Ethereum 2021: Confira tudo o que rolou no mercado neste ano!

Postado por em 31 de December de 2021 , marcado como

A retrospectiva Ethereum 2021 foi realmente empolgante de se criar. Não só pela valorização impressionante da criptomoeda, mas, sobretudo, pela forma como ela foi adotada pelo mercado. Sem mais delongas, vamos aos fatos.

Começamos a retrospectiva Ethereum 2021 pelo melhor: a sua valorização neste ano

Apenas nos seis primeiros meses de 2021 a Ethereum marcou uma posição muito importante no mercado, obtendo valorização de mais de 200% nos primeiros 180 dias do ano. Nesse período, a capitalização do mercado da criptomoeda passou dos 275 bilhões de dólares. Isso fez com que a moeda se tornasse uma opção ao Bitcoin, sendo a segunda maior dentre os criptoativos.

O crescimento da Ethereum acompanhou o do setor nesses últimos meses do ano. No entanto, seu projeto contínuo de desenvolvimento da sua blockchain fizeram com que seu preço se destacasse do movimento do mercado.

Saiba mais: Junte-se à emocionante aventura do Papai Noel com a 1xbit

A Ethereum 2.0 está por vir

Um ponto bastante interessante quando comparamos a rede de blockchain Ethereum com as outras principais do mercado, é que o projeto continua seguindo em pleno desenvolvimento. E todos os passos indicam que em um futuro bastante próximo teremos o lançamento da Ethereum 2.0 em definitivo – esse projeto começou a tomar corpo ainda em novembro de 2020.

A busca pela Ethereum 2.0 é bastante simples e se orienta para tornar o ETH em um ativo que seja deflacionário. Isso teve um passo importante quando o London hark fork foi implementado, em agosto deste ano. o EIP-1559 teve como objetivo a reforma das taxas da rede Ethereum.

Reduzindo taxas e indo na contramão do mercado de criptoativos

Uma das principais propostas da Ethereum, com a implementação do EIP-1559, é a redução das taxas até que haja a migração completa para o projeto da Ethereum 2.0. Quando isso ocorrer, a taxa para quem se dedica à mineração do criptoativo será a básica. Outro ponto importante, que também visa tornar a moeda deflacionária.

Assim, a ideia é que o estoque de ETH se torne limitado. Isso, segundo a lei básica do mercado, da oferta e da demanda, fará com que haja elevação no preço do criptoativo. Além disso, haverá também maior estabilidade em relação às taxas de transação.

A Ethereum não ficou imune às críticas em relação ao lançamento do seu formato 2.0

O modelo a ser buscado pela Ethereum não ficou longe das críticas, sobretudo por conta da questão ambiental que esse modelo envolve. Esse tipo de exploração a qual a Ethereum está se propondo tem um impacto ambiental maior do que aquele adotado pela Ethereum 1.0, por assim dizer.

Esse modelo se aproxima muito da forma como o Bitcoin explora seus recursos de mineração, o que pode envolver, em um futuro próximo, o mesmo declínio que a principal criptomoeda enfrenta em relação às questões ligadas à sua pegada de carbono, que exige maior tempo de processamento e maior capacidade de processamento das máquinas que fazem mineração, aumentando o consumo de energia elétrica.

Saiba mais: O que é play-to-earn? Explicamos tudo para você!

O que esperar em 2022?

A Ethereum se consolidou em 2021 como a segunda maior criptomoeda da história. Apenas em 2021, conforme vimos na nossa retrospectiva Ethereum 2021, a cripto se valorizou mais de 500% e tem todo o potencial para explodir em 2022, apesar das críticas, com o lançamento da Ethereum 2.0.

Ainda dá tempo de fazer com que a Ethereum se torne parte da sua carteira. Se essa é a sua dúvida, neste momento, pelo menos, pode ficar bem tranquilo. Enquanto o Bitcoin apresentou aumento de 92% em 2021 – embora prometa muito para 2022 -, a Ethereum tem toda a chance de superar sua valorização histórica em 2022.

Assim, considera-se que a ETH não vai interromper seu ciclo virtuoso tão cedo. Isso se dá, sobretudo, porque a ETH não é só uma moeda. A Ethereum também oferece hoje outros serviços que não fazem parte da carta do Bitcoin. Um deles, a de smart contracts, tende a ser um dos mais importantes para o ano que vem. Além desse serviço, também temos a Ethereum como o maior dos players quando se trata de protocolos DeFi – finanças descentralizadas.

Dessa forma, podemos entender essa rede blockchain como algo muito maior do que as outras redes atualmente se apresentam. Ela tem toda a capacidade para, inclusive, criar um serviço bancário completo, mas bem longe dos bancos tradicionais. Assim, mais do que nunca, é hora de colocá-la mesmo em sua carteira, sentar e esperar os bons rendimentos que ela ainda apresentará aos seus investidores.

 

Siga o Criptoeconomia nas redes sociais!